Mês: dezembro 2018

Pistolando #014 – Eleições muito loucas com uma turminha do barulho

Tempo de leitura: 2 minutos

Nem adianta dizer que você entende o que aconteceu esse ano, porque ninguém vai acreditar. A gente que mora aqui não entendeu, a OEA não entendeu, os observadores internacionais estão mais perdidos que a Nazaré Tedesco calculando. O que aconteceu? Como chegamos nesse ponto? Qual o papel da Justiça Eleitoral nesse furdúncio todo, principalmente no período entre as eleições? Qual a relação entre os Três Poderes no funcionamento do Estado? O TSE é um quarto poder, sendo que é o único que não tem seus membros eleitos pelo povo? O TSE levou um baile das fake news nessas eleições e foi vítima delas também. Qual é o saldo que o órgão faz de si próprio com relação a esse tema? O que o TSE pensa em questão de aprendizado com relação às próximas eleições? Conversamos novamente com Luís Fernando Schauren, do TRE-RS, e também com o estreante Rafael Morgental, que tá por dentro dos babados todos.

Read More

qual é o seu feminismo?

Tempo de leitura: 5 minutos

 

Eu moro na internet, vocês sabem. Estou em vários grupos diferentes, alguns só de mulheres. São safe places pra nós, principalmente pras mais sensíveis de nós – não me incluo nessa categoria, mas sempre me sinto honrada de ser convidada pra participar deles.

Em um desses grupos passamos um bom tempo semana passada nos indignando com ômis fazendo omices em outro grupo do qual todas participamos, e onde somos minoria de gênero. Nada de altamente ofensivo, mas aquelas coisinhas de sempre: piadinhas de duplo sentido, menosprezo pelas nossas dúvidas e perplexidades, manterrupting, mansplaining, ômi ignorando solenemente as nossas contribuições. Passamos alguns dias indignadas e reclamando deles no nosso grupo. Até que umas três ou quatro delas, todas mulheres que admiro muito e cuja trajetória acompanho há tempos, vieram dizer que estavam cansadas do clima pesado que tava rolando no grupo e perguntar se não era o caso de dar uma acalmada e tentar chamar os caras no pvt, dialogar, explicar, lançar mão de comunicação não-violenta.

Não é uma estratégia na qual estou disposta a insistir.

Quem me conhece tá careca de saber que eu sou impaciente pra cacete, mas talvez vocês não saibam que a única coisa que eu adoro mais do que me irritar é explicar, ensinar. Eu já respirei fundo inúmeras vezes pra explicar o óbvio pra quem está láaaa no comecinho da desconstrução.

E vou dizer uma coisa:

CANSEI.

Sabe, essa virou mais uma função que jogam nos nossos ombros: explicar, ensinar. Ser babá intelectual de homem-menino que nem a responsabilidade de se educar quer assumir. Eu não quero mais isso. A única pessoa por cuja educação eu sou diretamente responsável é a minha filha. Estamos em 2018; a desculpa “desinformação e desconhecimento” não cola mais pra justificar machismo, racismo, homofobia e escrotidão generalizada.

Entendam: não estou de maneira alguma dizendo como você, mulher, deve se comportar, obviamente, mas eu, EU, Leticia Dáquer, JAMAIS serei aquela que sai do grupo porque os machos são escrotos. Jamais. Esperem sentados, porque não vai acontecer. Esse não é o meu feminismo. Eu sou aquela que vai começar questionando de leve, e depois vai distribuir voadoras nucleares, cadeiradas na gengiva, traulitadas na fuça, em quem insistir no comportamento imbecil. Eu não tenho mais saco pra discutir o óbvio com homem cretino. Não tenho mais paciência nem energia pra ensinar macho a não ser escroto. Não quero mais esse fardo. NÃO SOU OBRIGADA.

Pensem em quantas coisas a gente (nós, mulheres) não poderia estar debatendo, descobrindo, discutindo, aprendendo, ensinando, se não tivesse que perder tempo rebatendo argumentos idiotas e nos defendendo de ataques machistas. Quanta coisa mais produtiva poderíamos estar fazendo! Mas não, estamos aqui gastando saliva explicando pra gente escrota que ser escroto é ruim. Na boa, não. Não vou ser eu a encarnar mais esse papel. Tô fora. São pouquíssimos os homens que merecem esse esforço. Se você conhece algum, vai na fé, eu também já conheci e fui na fé e não me arrependo (inserir o gif da galinha rodando na discoteca com os dizeres I REGRET NOTHING). Mas a imensa maioria simplesmente não quer saber. A imensa maioria é comentarista de portal, e com comentarista de portal não existe CNV suficiente na Via Láctea. A gente fica perdendo tempo e energia com esses cretinos e deixando de fazer outras coisas mais produtivas, mais maneiras, mais enriquecedoras.

Vou citar aqui o livro que estou lendo, que foi a minha dica cultural do último episódio (que por sinal ficou tchutchuco e se você não ouviu ainda, tá perdendo):

Minha tradução livre: O tipo de compaixão que é útil para homens e meninos que estão tentando escapar de um mundo de violência, misoginia e constipação emocional não é a compaixão de um padre que perdoa os pecados, mas a de um médico que olha para um idiota que esperou demais antes de procurar ajuda para uma ferida purulenta e diz, com firmeza e precisão: sinto muito, mas vai doer.

Não existe maneira indolor de sair do machismo. Não vai ser saindo de grupos povoados de homens escrotos, nem chamando no pvt pra uma conversa longa e cansativa que não vai dar em nada e que só ele vai ler – se é que vai ler, nem fingindo que não é com a gente, que as coisas vão mudar. É isso o que eles querem: que a gente recue, deixe de ocupar espaços, evite o confronto. Existe esse feminismo de bastidores também, que faz esse trabalho de formiguinha, e admiro quem tem esse tipo de paciência, mas não é o meu.

Eu acho que tem que expor. Tem que jogar na cara. Tá sendo escroto no grupo? Mostra ao grupo o quão escroto ele tá sendo. Faz ele passar vergonha com os amiguinhos. Não importa se os amiguinhos o apoiarem, num exemplo de broderagem idiota; COM CERTEZA alguma moita no grupo (todo grupo tem moita) vai ler e vai pensar sobre o assunto, se bobear vai rolar até a proverbial botada de mão na cabeça, a reboladinha e o exame de consciência. Depois de mil mulheres reclamando da mesma coisa, de repente – de repente, talvez, quem sabe – eles entendam que trata-se de um problema real, e não de mimimi de feminazi.

Eu tô amando esse livro. Não sou uma estudiosa do feminismo, mas muitas coisas que ela diz eu já li antes; não há grandes insights até agora (ainda estou na metade). Só que, ao contrário de outras autoras pacatas que eu já li, ela tá putaça, e eu não consigo tirar a razão dela. Eu não entendo por que diabos não estamos todas tão putaças a ponto de parar o mundo inteiro. Qualquer jornal de qualquer país do mundo conta histórias de arrepiar os cabelos envolvendo mulheres se fodendo, porque vocês sabem, Sócrates já dizia, mulher só se fode. É todo dia, o tempo todo, no mundo todo. Por que diabos não tacamos fogo em tudo ainda? Não sei. Acho que nos falta raiva, de verdade.

NÃO VAI SER COM PALAVRINHAS DE AMOR E FLORES NO CABELO QUE VAMOS MUDAR O MUNDO. Infelizmente não vai, sinto muito. Concordo plenamente com a Laurie Penny, autora do livro acima: vai ter que espremer o furúnculo pra sair o carnegão, vai doer pra cacete, vai todo mundo ver estrelas de dor. Mas ficar passando pomadinha homeopática e dizendo que vai passar não vai resolver o problema.

E como a nossa descrição já diz, acreditamos que há pontes que precisam ser queimadas, e não construídas. “Ain mas é a minha opinião” – não. Ser escroto não é opinião. Interromper mulheres o tempo todo não é opinião. Menosprezar o sofrimento das mulheres não é opinião. Chamar a sua ex de maluca quando o idiota da relação foi você não é uma opinião.

O Ivan do Anticast comentou em um programa que ele só foi ter uma vaga ideia do que realmente uma mulher experimenta quando anda sozinha na rua quando a mulher dele, na época namorada ainda, disse “então faz assim, eu vou andando sozinha na frente e você vai me seguindo a uma certa distância, só observando”. Ele ficou horrorizado com o tanto de comentários que ela ouviu de homem que acha que chamar mulher de gostosa na rua super vai fazer ela se apaixonar por ele e tirar a calcinha na hora. Doeu assistir àquilo (sim, é crase)? Doeu. Ficou incomodadíssimo. Ela já tinha explicado a ele várias vezes, e ele não tinha entendido. Precisou ver com os próprios olhos e sentir o desconforto, o incômodo de assistir à cena pra começar a mudar de ideia. E isso porque o Ivan é gente boa. Se com homem gente boa só a gente falar não adianta, por que vocês acham que vai funcionar com o macho escroto?

Bora espremer o carnegão então. Sem anestesia.

P.S.: Muitos beijos pra mulherada do Vários Assuntos Ovariados e pra Julie do Bora Marcar?

 

Pistolando #013 – Mais Médicos, nossos médicos

Tempo de leitura: 3 minutos

 

 

Todo esse babado do Mais Médicos rolando e a gente aposta que vocês nem sabem direito como o negócio funciona, que dirá por que diabos a classe médica brasileira, notoriamente corporativista e coxinha, tem tanto asco pelos médicos cubanos. Aliás, por que a classe médica brasileira é tão corporativista e coxinha? O que acontece na formação dos nossos médicos que faz com que eles sejam mais técnicos e menos empáticos? Por que o brasileiro em geral tem tanta dificuldade com tudo o que é preventivo? Por que nossa medicina preventiva, ao contrário da cubana, não vinga? Conversamos com Pedro Carvalho Diniz, médico do podcast Medicina em Debate.

 

Ficha técnica

 

Hosts: Leticia Dáquer e Thiago Corrêa

 

Convidado: Pedro Carvalho Diniz

Edição: Thiago Corrêa

Capa: Leticia Dáquer

Data da gravação: 29/11/2018

Data da publicação: 06/12/2018

Músicas/inserções:

  • Discurso de Dilma Rousseff no lançamento do Mais Médicos
  • Discurso de Fidel Castro
  • Relato da Dra. Eneida Guevara, filha de Che Guevara, sobre a saúde cubana
  • Los Aldeanos – Heroe
  • Paródia do tema de fim de ano da Globo – Sindicato dos Médicos do Ceará
  • Gabriel, o Pensador – Sem Saúde
  • Médicos de Cuba – Médicos de Cuba

 

Links relacionados ao episódio

Podcast do Pedro: Medicina em Debate – Mais Médicos Parte 1 e Parte 2

Lado B do Rio #85 sobre o Mais Médicos

LEI Nº 12.871, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 (institui o Mais Médicos)

Cidades relatam desistências e migração de programa após edital do Mais Médicos (Folha, 28/11/2018)

Vídeo viral de médica reúne várias informações falsas sobre Mais Médicos (Aos Fatos, 19/11/2018)

Cba deixa o Mais Médicos: erros e acertos no que se fala sobre o programa (Piauí, 14/11/2018)

Sem registros de erros médicos dos profissionais cubanos no Brasil (Época, 19/11/2018)

Mais Médicos. Nota da Associação de Médicos Egressos da Escola Latinoamericana de Medicina – ELAM/CUBA (Instituto Humanitas UNISINOS, 19/11/2018)

“Médicos cubanos atendem melhor do que brasileiros”, dizem pacientes (UOL, 17/11/2018)

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS NA ÁREA RURAL DE PORTO VELHO, RONDÔNIA. (Gestão e Sociedade, 20/07/2016)

Chama médico cubano de escravo, mas não se indigna com escravo de verdade (blog do Sakamoto, UOL 16/11/2018)

Cuba, a ilha da saúde (Opera Mundi UOL, 29/07/2012)

Thread de Thiago Silva no Twitter sobre como Bolsonaro retrata o Mais Médicos (16/11/2018)

Exemplos de grade curricular de graduação em Medicina: UFPR, UNI-Rio, USP

Brasil vai na contramão do indicado por especialistas em relação a medicina preventiva (CBN, 11/06/2016)

Menos de 10% dos inscritos se apresentaram para trabalhar (UOL, 28/11/2018)

Cuba answers the call for doctors (boletim da OMS, maio 2010)

Cuba’s primary health care revolution: 30 years on (boletim da OMS, maio 2008)

https://www.who.int/countries/cub/en/

http://www.who.int/countries/bra/en/

Where to train the world’s doctors? Cuba (TED talk, TEDMED setembro 2014)

 

A Balada do Pistoleiro

Pedro Carvalho Diniz

Filme: Ele Está de Volta (Netflix)

Livro: Bartleby, o Escrivão (Herman Melville)

 

Leticia Dáquer

Livro: Unspeakable Things: Sex, Lies and Revolution (Laurie Penny)

Filme: Padmaavat

 

Thiago Corrêa

Documentário: Sicko, de Michael Moore (YouTube)

Filme: Nahid

Podcast Apenã episódio 28

 

Jabás

Pedro Carvalho Diniz

Podcast: Medicina em Debate no Twitter, website: http://medicinaemdebate.com.br/

e-mail: medicinaemdebate@gmail.com

Twitter pessoal: @oparbento1

 

Leticia Dáquer

Twitter: @pacamanca

Blog: www.pacamanca.com

Papo Cético, podcast do site Mitografias

 

Thiago Corrêa

Twitter: @thiago_czz

 

O Bom, o Mau e o Feio

O Bom:

Leticia:

 

Thiago:

 

O Mau:

Leticia:

Thiago:

 

O Feio:

Leticia:

 

Thiago:

 

#MULHERESPODCASTERS

Mulheres Podcasters é uma ação de iniciativa do Programa Ponto G, desenvolvida para divulgar o trabalho de mulheres na mídia podcast e mostrar para todo ouvinte que sempre existiram mulheres na comunidade de podcasts Brasil.

 

O Pistolando apoia essa iniciativa.

 

Apoie você também: compartilhe este programa com a hashtag #mulherespodcasters e nos ajude a promover a igualdade de gênero dentro da podosfera.

 

Links do Pistolando:

 

www.pistolando.com

 

contato@pistolando.com

 

Twitter: @PistolandoPod