Thiago Corrêa

Pistolando #022 – Crime organizado à moda italiana

Tempo de leitura: 3 minutos

No nosso primeiro episódio da nossa parceria com a Companhia das Letras, que nos enviou o livro Os Meninos de Nápoles, de Roberto Saviano, puxamos o fio do romance pra falar sobre crime organizado à moda italiana e suas ramificações e influências no Brasil. Conversamos com Leandro Demori, do jornal The Intercept Brasil, autor de Cosa Nostra no Brasil.

Read More

Pistolando #015 – Plástico, lixo e reciclagem com Sabrina Fernandes e Ana Carolina “Nacaru” Vieira

Tempo de leitura: 3 minutosPlástico: estamos sendo justos com ele? A proibição do uso de canudos de plástico em várias cidades do mundo vem sendo notícia por aí. O crescimento do continente de plástico no Oceano Pacífico também. Já deu, né? Chega de plástico. Mas como tudo na vida, nada é tão simples quanto parece. Quanto de plástico pode ser reciclado? Que alternativas temos? Quais são os reflexos econômicos dessas proibições e mudanças? A que ponto anda a indústria da reciclagem no Brasil e no mundo? Conversamos com as ótimas Ana Carolina Vieira e Sabrina Fernandes.
Read More

Pistolando #014 – Eleições muito loucas com uma turminha do barulho

Tempo de leitura: 2 minutosNem adianta dizer que você entende o que aconteceu esse ano, porque ninguém vai acreditar. A gente que mora aqui não entendeu, a OEA não entendeu, os observadores internacionais estão mais perdidos que a Nazaré Tedesco calculando. O que aconteceu? Como chegamos nesse ponto? Qual o papel da Justiça Eleitoral nesse furdúncio todo, principalmente no período entre as eleições? Qual a relação entre os Três Poderes no funcionamento do Estado? O TSE é um quarto poder, sendo que é o único que não tem seus membros eleitos pelo povo? O TSE levou um baile das fake news nessas eleições e foi vítima delas também. Qual é o saldo que o órgão faz de si próprio com relação a esse tema? O que o TSE pensa em questão de aprendizado com relação às próximas eleições? Conversamos novamente com Luís Fernando Schauren, do TRE-RS, e também com o estreante Rafael Morgental, que tá por dentro dos babados todos.

Read More

Pistolando #010 – Editorial Final das Eleições #PodosferaAntifascista

Tempo de leitura: 4 minutosDemoramos uma semana até gravar isso, precisávamos de um tempo para digerir tudo o que estava acontecendo.

Read More

Pistolando Extra: A Ascensão do Nazismo

Tempo de leitura: 2 minutosSabe aquele? O inimigo do Indiana Jones, da Anne Frank, do Capitão América? O que você sabe MESMO sobre o nazismo além do que estudou pro vestibular e viu na cultura pop? O que o Brasil de 2013 pra cá tem a ver com a Europa em 1932 e que influência isso tem com a nossa situação atual? Quem formava a resistência e como podemos resistir hoje? Conversamos com Maria Visconti, historiadora que entende dos paranauês.

Read More

Extra: Pistolando com Fumaça – Geringonça, Um Experimento Português

Tempo de leitura: 2 minutosImpossível você não querer saber o que é uma coisa com esse nome. Acredite, é MUITO mais interessante do que parece – trata-se do apelido dado ao governo que assumiu Portugal em 2014, numa coalizão inédita de partidos de esquerda. Como funciona esse negócio? Algo semelhante seria possível no Brasil? Conversamos com o Pedro Miguel Santos, do podcast Fumaça, porque somos internacionais, bêibi.

Read More

Editorial: 2º Turno das Eleições

Tempo de leitura: 3 minutosSejam todos bem-vindos a esse breve editorial do Pistolando Podcast. Para quem já acompanha o nosso trabalho já deve ser bem óbvia a nossa posição com relação ao segundo turno das eleições presidenciais, mas vivemos tempos tão malucos que pensamos que o óbvio também precisa ser dito e reafirmado.
Read More

Guia de sobrevivência ao almoço de domingo – Parte 6: Defesa nacional

Tempo de leitura: 7 minutosOlá, amiguinhos, estamos de volta para mais uma parte da análise do plano de governo de Bolsonaro. O último, além de ficar longo, deu um puta trabalho pra levantar os dados, então esse aqui vai ser um pouco mais curto e vai ter muita lição de história.

DEFESA NACIONAL

Garantia da Lei e da Ordem
Dentre instituições, grupos, pessoas ou atividades, que tiveram sua imagem atacada pela doutrinação ideológica de esquerda, certamente as Forças Armadas do Brasil estão entre as que mais sofreram.
Houve clara intenção de desconstruir a imagem desta espinha dorsal da Nação, afinal, elas são o último obstáculo para o socialismo.
Saliente-se que as Forças Armadas do Brasil tem uma História que nos orgulha. Por exemplo, heróis brasileiros lutaram contra o Nacional Socialismo na Segunda Guerra Mundial. Fomos o único país da América Latina a lutar contra os Nazistas. Posteriormente, outros heróis impediram a tomada do poder por forças de esquerda que planejavam um golpe comunista no Brasil em 1964, conforme o editorial: Julgamento da Revolução – O GLOBO, 7 de outubro de 1984.
Atualmente, a Nação olha para as Forças Armadas como garantia contra a barbárie.

Bolsonaro cita uma suposta difamação da imagem dos militares por um conceito muito vago de esquerda. Uma pena que seja lá onde ele estudou deve ter dormido nas aulas de história. Vamos recapitular?

  • 12/11/1823, a “Noite da Agonia”: Quando Karl Marx tinha apenas 5 anos e o Brasil apenas 1 ocorreu o primeiro golpe da pátria independente. Dom Pedro I ordenou um cerco e a prisão e exílio dos deputados constituintes liberais, formando logo depois um novo conselho composto apenas por conservadores da sua confiança. A quem foi ordenada tal atitude golpista? A eles, claro, os militares.
  • 23/07/1840, o Golpe da Maioridade: 34 anos do nosso bom velhinho terminar O Capital, lá estava o Brasil metido em outro rolo. Dom Pedro I abdicou do trono, seu filho ainda cheirarava a leite e a briga entre liberais e conservadores estava no auge. Em suma, fizeram a cabeça do moleque pra assumir logo e às favas a Constituição, que só permitiria a ascensão ao trono após os 18 anos completados.
  • 15/11/1889, a Proclamação da República: Mais uma vez tivemos paticipação direta dos militares. Marechal Deodoro da Fonseca foi persuadido a marchar contra seu mui amigo Dom Pedro II após Benjamin Constant e outros positivistas da época dizerem a ele que Gaspar da Silveira Martins, seu desafeto declarado, seria nomeado comandante do exército. Ah, é era mentira.
  • 03/11/1891, O Golpe de Três de Novembro: O mesmo Marechal Deodoro da Fonseca acaba eleito presidente pelo voto indireto e na data referida dissolveu o congresso nacional numa canetada e declarou estádio de sítio no país.
  • 23/11/1891, A Primeira Revolta da Armada fez sua principal vítima. Marechal Floriano Peixoto assume após a renúncia de Deodoro. A consituição da época regia que se o presidente deixasse o cargo em menos de um ano de sua eleição, deveriam haver novas eleições. Floriano não deu a mínima para os dispositivos constitucionais e permaneceu no cargo. 2 anos de república e 3 golpes de militares; que fase…
  • A Revolução de 30: Após uma eleição fraudada para que Júlio Prestes fosse o sucessor de Washington Luís, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba não aceitaram o resultado, e no vuco-vuco que se sucedeu João Pessoa, então governador da Paraíba, foi morto. Foi a gota d’água para que setores militares embarcassem no bonde golpista de colocar Getúlio Vargas na cadeira. Segue um trecho:“[…] detinha a superioridade militar sobre os revoltosos, mas faltava ao alto-comando vontade para defender a legalidade. Os chefes militares sabiam que as simpatias da jovem oficialidade e da população estavam com os rebeldes. Uma junta formada por dois generais e um almirante decidiu depor o presidente da República e passar o governo ao chefe do movimento revoltoso, o candidato derrotado da Aliança Liberal. Sem grandes batalhas, caiu a Primeira República, aos 41 anos de vida.”
    (Carvalho, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015. p. 100).
  • O “Estado Novo”: Não perca as contas, ja estamos no sétimo golpe! Em 1937 o General Olímpio Mourão Filho fez uma presepada, inventou um tal de Plano Cohen inexistente e nele dizia que estava em curso uma possível tentativa de revolução socialista – na época o socialismo e o tenentismo afloravam no Brasil. Em 30 de setembro de 1937 o General Eurico Gaspar Dutra declara Estado de Guerra e cassa os direitos constitucionais. Em 10 de novembro é fechado o Congresso Nacional sob aplausos dos integralistas (uma versão tupiniquim do fascismo). Nada de eleições previstas para 38; a ditadura Vargas vai até 1945.
  • A Deposição de Vargas: Praticamente os mesmos militares que apoiaram o golpe de 1937 tiraram Vargas do cargo em 1945. Enquanto Getúlio tentava fazer uma transição para manter tudo dentro das suas vontades, a pressão popular ia apertando. Quando Gegê afastou o chefe de polícia do Distrito Federal, João Alberto Lins de Barros, e pôs em seu lugar seu próprio irmão, o General Góis Monteiro, que o havia ajudado em 1930, reagiu ao gesto de Vargas e mobilizou tropas no Distrito Federal. Góis e Dutra exigiram a renúncia, mas tudo que ganharam foi um cadáver martirizado.
  • 01/04/1964 O Golpe Militar: Esse eu vou me abster de comentar. Foram 21 anos de cerceamento de liberdades e todo o tipo de crime sob o pretexto de um fantasma do socialismo que jamais chegou perto de tomar o poder.

Nos nossos últimos NOVE Golpes de Estado apenas um não teve o envolvimento direto de setores das forças armadas. Diferente do que o candidato diz, as forças armadas não são “o último obstáculo para o socialismo”, mas sim o último obstáculo para a Democracia.

DEFESA NACIONAL

Segurança das Fronteiras
Devemos recuperar as condições operacionais de nossas Forças Armadas, com a valorização e a proteção de seus integrantes!
Diante das crises, nossos combatentes precisam de equipamentos modernos, não somente de veículos e armas. Ameaças digitais já são presentes. Nossas Forças Armadas precisam estar preparadas, através de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, com a participação das instituições militares no cenário de combate a todos os tipos de violência.
Além disso, no papel de consolidação nacional, devemos lembrar da participação das Forças Armadas no processo de atendimento da saúde e da educação da população, principalmente em áreas remotas do país.
As Forças Armadas terão um papel ainda mais importante diante do desafio imediato no combate ao crime organizado, sendo importante buscar uma maior integração entre os demais órgãos de segurança pública, principalmente na estratégia de elevar a segurança de nossas fronteiras.
Teremos em dois anos um colégio militar em todas as capitais de Estado.

Aqui basicamente só aparecem frases inócuas de exaltação das forças armadas, é o popular “jogar pra torcida”. A única coisa que é digna de nota aqui é o tal colégio militar. Sobre isso eu não vou fazer textão não, vou colocar um vídeo do Le Monde Diplomatique que é mil vezes melhor do que eu:

SUFOCAR A CORRUPÇÃO

• Transparência e Combate à Corrupção são metas inegociáveis.
• Como pilar deste compromisso, iremos resgatar “As Dez Medidas Contra a Corrupção”, proposta pelo Ministério Público Federal e apoiadas por milhões de brasileiros, e encaminhá-las para aprovação no Congresso Nacional.

Quando eu penso que já tava acabando o texto chegam as tais “As Dez Medidas Contra a Corrupção”. Não vai ter jeito, vamos ter que destrinchar. As tais medidas estão cheias de falácias e não tem como passar batido por elas.

Pra começar as 10MCC são referenciadas como se fossem um documento plural, contruído pelo MPF juntamente com a sociedade – ao menos é o que o site diz, mas “curiosamente” não há lugar algum em que você consiga acessar a íntegra dos documentos a não ser pelo site do 10MCC que, para a surpresa de ninguém, é do MPF!  Fique à vontade para procurar quem é essa sociedade que ajudou, não vai chegar a lugar algum. Há um problema nisso? Não exatamente, não é nada ilegal, mas essa maquiagem de iniciativa popular, convenhamos, não é a coisa mais moral do mundo.

Outra forma utilizada para legitimar as tais 10 medidas é dizer que elas têm como respaldo 2 milhões de assinaturas em um abaixo-assinado, mas vamos lá, se alguém te para na rua e diz que tem um abaixo-assinado que é contra a corrupção você deixaria de assinar? Quem diabos é a favor da corrupção??? É uma retórica baixa.

Eu poderia fazer um texto gigante sobre essas medidas ou até mesmo quem sabe elas virem um episódio do nosso podcast, eu só vou deixar aqui uma situação pra mostrar o quão absurdo é o projeto.

Vamos pegar o que está no anteprojeto do primeiro ato, o teste de integridade:

“Art. 3º Os testes de integridade consistirão na simulação de situações sem o conhecimento
do agente público, com o objetivo de testar sua conduta moral e predisposição para cometer ilícitos
contra a Administração Pública.”

Basicamente o que vai rolar? Lembra do teste de fidelidade do João Kléber? É basicamente isso, mas ao invés de uma modelo sensual forçando a barra pra cima de um garotão com namorada seria um policial disfarçado esfregando dinheiro na cara de um servidor público mal remunerado. E eu não tô inventando não, tem até artigo mandando filmar quando possível. A ideia é provocar uma situação pra cima do servidor forçando uma barra pra ele aceitar algum tipo de vantagem, financeira ou não e ser pego com a boca na botija.

Talvez você esteja achando interessante né? Bem, tudo terá de ser previamente comunicado e é vedada a realização dos testes com juízes e cargos de alto escalão, afinal todos sabem que quem fez o Petrolão, os escândalos de Furnas e do metrô de SP foram os almoxarifes e contínuos, né?

A medida é um ornitorrinco que mesmo que tivesse boa intenção possui várias falhas e abre precedentes para excessos. Ou você acha que não rolaria de plantar uma grana na sala daquele secretário que almoça com a turma do sindicato pra incriminá-lo e tirar do caminho? Achou exagerado? É porque você não conhece o modus operandi de alguns outros servidores públicos por aí… [¹] [²]

 

Esse texto é parte de uma série. Não deixe de ver os nossos outros textos sobre o tema:

Introdução
Parte 1: “O Brasil livre”
Parte 2: “Mais Brasil, menos Brasília
Parte 3: Estrutura e gestão
Parte 4: Linhas de ação
Parte 5: Mentiras da esquerda
Parte 6: Defesa nacional
Parte 7:  Saúde
Parte 8: Educação (EM BREVE)
Parte 9: Inovação, ciência e tecnologia (EM BREVE)
Parte 10: Economia (EM BREVE)
Parte 11: Economia 2 (EM BREVE)
Parte 12: Economia 3 (EM BREVE)
Parte 13: Economia 4 (EM BREVE)
Parte 14: Economia 5 (EM BREVE)
Parte 15: Agricultura e Infraestrutura (EM BREVE)
Parte 16: Energia, petróleo e gás (EM BREVE)
Parte 17: Tranportes, portos e aviação (EM BREVE)
Parte 18: O novo Itamaraty (EM BREVE)

Pistolando #008 – Pré-sal e a soberania do Brasil

Tempo de leitura: 3 minutosVolta e meia esse paranauê do pré-sal volta, mas a gente tem certeza que você, como nós, não sabe exatamente do que se trata nem as implicações desse negócio pro Brasil. Aproveitamos e falamos um pouco sobre a Petrobras com os lindíssimos Amanda Ferrari e José Cláuver. Quem diria que um papo sobre petróleo seria tão interessante?

Read More

Guia de sobrevivência ao almoço de domingo – Parte 5: “Mentiras da esquerda”

Tempo de leitura: 7 minutosOpa! Estamos de volta pra continuar a nossa saga pelo território inóspito de ideias chamado “Projeto Fênix”. Se segura que só pelo título esse aqui já promete!

MENTIRAS DA ESQUERDA

“a polícia é a que mais mata“
• O Brasil está em Guerra. Veja o título do recente documentário da Globo: “A Guerra do Brasil”!
• Segundo o IBGE, criminosos praticaram oficialmente 62.517 homicídios no Brasil em 2016.
• Intervenções policiais legais resultaram em 1.374 mortes em 2016.
• Apenas 2% de mortes violentas no Brasil estiveram associadas com ações policiais.
• Tais ações estão concentradas em dois Estados: Rio de Janeiro, com 538 mortes; e Bahia, com 364 mortes. Juntos, totalizam 66% das mortes! Retirando-se esses dois Estados, em 2016 as mortes violentas no Brasil associadas com ações policiais seriam 472, um número inferior a 1% do total

OK, logo depois do título que afirma que a esquerda mente vem a frase entre aspas “a polícia que mais mata”, isso já nos leva a crer que essa afirmação é mentirosa. Bem, se ele realmente acredita que esses dados são mentirosos é melhor ele ir reclamar com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública ou então com a Anistia Internacional. Vamos vencer essa frase a coisa ainda vai longe e não dá pra simplesmente enfiar os dados na cabeça de quem teima no negacionismo.

Essa segunda frase é sensacional! Você deve acreditar que o Brasil está em guerra, por qual outro motivo a Globo faria um documentário chamado “A Guerra do Brasil”? Acabei de ver que tem um documentário chamado “BR-101: A rodovia de muitos ‘Brasis'”. Será que todos os movimentos separatistas lograram êxito e eu não fiquei sabendo?

Em tempo: afinal a Globo mente ou fala a verdade? Matéria dela só serve quando convém?

Eu não deveria, mas como eu sou um cara muito legal, eu vou passar pro JB os números reais e atualizados das mortes decorrentes de intervenções policiais em 2017 (francamente, PSL, eu sozinho faço uma pesquisa melhor que a equipe de planejamento presidencial de vocês, que vergonha). Em números absolutos foram 5.169 mortes, um número mais de 3,76 vezes maior que o publicado no plano de governo de Bolsonaro. Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

A GUERRA NO BRASIL SERÁ VENCIDA!

NOSSOS HERÓIS SERÃO LEMBRADOS!
• Enquanto a esquerda está preocupada com as mortes associadas a ações policiais, segundo a Ordem dos Policiais do Brasil (OPB), foram mortos 493 policiais em 2016! Em 2017 esse total subiu para 552 e, infelizmente, tudo indica que teremos ainda mais policiais mortos em 2018.
• São Heróis Nacionais que tombaram e foram esquecidos pelos atuais governantes nesta Guerra do Brasil! Um dos compromissos será lembrar o nome de cada um desses guerreiros! Suas famílias serão homenageadas e cada um desses heróis terá seu nome gravado no Panteão da Pátria e da Liberdade!
Nós brasileiros agradecemos aos heróis e suas famílias pela  coragem e pelo sacrifício que fizeram! Que seus nomes nunca sejam esquecidos!

Uma coisa que me mata de agonia nesse ufanismo militarista todo é a quantidade de exclamações e gritos de guerra. Um saco tentar argumentar quando o outro lado só tá gritando frases motivacionais. Se essa porra resolvesse alguma coisa era só dar um megafone na mão do augusto Cury e o Brasil virava a Suíça.

Diferentemente do candidato, que costuma trocar de órgão para o que melhor apetece a sua visão de mundo, eu vou continuar a fazer a análise com os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018. Nele consta que o número de policiais vítimas de homicídio foi de 386 em 2016 e 367 óbitos em 2017. Claro que o número não deixa de ser trágico; é lamentável ver trabalhadores mal remunerados e pouco capacitados perdendo suas vidas num combate sem sentido, mas aqui vou continuar me atendo aos dados do candidato e o fato é que os dados informados por Bolsonaro são, respectivamente, 27% e 50% maiores do que o reportado. Tire suas próprias conclusões. Pra mim isso aí é desonestidade.

A melhor forma de honrar cada um dos caídos nessa grande idiotice chamada guerra às drogas é, de uma vez por todas, evitar que outros trabalhadores trilhem o mesmo caminho. Isso passa inevitavelmente por reorientar a política de drogas no país. E se você não acredita nisso, saiba que não sou em quem diz. Esse é o sexto ponto da agenda “Segurança Pública é a Solução”, criada pelo mesmo Fórum Brasileiro de Segurança Pública citado anteriomente.

PRENDER E DEIXAR NA CADEIA SALVA VIDAS!

Mato Grosso do Sul, São Paulo e Brasília são os que mais prendem e os que mostram avanços…
http://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf

OUTRO EXEMPLO DE MUDANÇA IDEOLÓGICA

Combater o ESTUPRO de mulheres e CRIANÇAS!

Ué, se prender salva vidas e nós temos a terceira maior população carcerária do mundo, por que é que não somos o terceiro país mais seguro do mundo? Essa falácia foi tão fácil de desmentir que não deu nem graça, mas aqui a ideia não é ficar jogando frase de efeito pra cair oclinhos na cara e virar um meme babaca, então vamos usar números: no 10º Anuário de Segurança Pública de 2016 foi registrada uma população carcerária de 584.361 detentos; em 2018 o mesmo relatório apresenta o número de 729.551 presos, um aumento de quase 25%. Vejamos os outros crimes citados:

Homicídios: de 52.463 para 55.900, aumento de 6,5%

Roubo e furto de veículos: de 242.097 para 276.371, aumento de 14%

Estupros: de 55.070 para 61.032, aumento de 10%

Você, leitor, se sente mais seguro agora? Se a atual política de encarceramento não vem funcionando, o que é que faz o candidato acreditar que a dele fará?

CONCLUSAO (sic)

Os números comprovam que o extermínio de brasileiros é realizado pelos criminosos!
Para reduzir os homicídios, roubos, estupros e outros crimes:
1º Investir fortemente em equipamentos, tecnologia, inteligência e capacidade investigativa das forças policiais,
2º Prender e deixar preso! Acabar com a progressão de penas e as saídas temporárias!
3º Reduzir a maioridade penal para 16 anos!
4º Reformular o Estatuto do Desarmamento para garantir o  direito do cidadão à LEGÍTIMA DEFESA sua, de seus familiares, de sua propriedade e a de terceiros!
5º Policiais precisam ter certeza que, no exercício de sua atividade profissional, serão protegidos por uma retaguarda jurídica. Garantida pelo Estado, através do excludente de ilicitude. Nós brasileiros precisamos garantir e reconhecer que a vida de um policial vale muito e seu trabalho será lembrado por todos nós! Pela Nação Brasileira!
6º Tipificar como terrorismo as invasões de propriedades rurais e urbanas no território brasileiro.
7º Retirar da Constituição qualquer relativização da propriedade privada, como exemplo nas restrições da EC/81.
8º Redirecionamento da política de direitos humanos,  priorizando a defesa das vítimas da violência.

Dava pra falar bastante sobre cada um desses pontos mas vamos nos ater a só alguns, até porque o texto já está muito longo e ainda faltam mais 13 partes.

Vale tomar algum tempo pra se falar do tal “excludente de ilicitude”. Esse mecanismo legal já existe no nosso código penal e diz o seguinte:

Art. 23

“Não há crime quando o agente pratica o fato:
I – em estado de necessidade;
II – em legítima defesa;
III – em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.
Parágrafo Único. O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou culposo.”

Art. 24

“Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.
    §1º Não pode alegar estado de necessidade quem tinha o dever legal de enfrentar o perigo.
    §2º Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do direito ameaçado, a pena poderá ser reduzida de um a dois terços.”

Ou seja, matar uma pessoa é crime mas se essa pessoa estiver sob as circunstâncias acima tudo é relativizado. Pelas características da lei já se pode notar de que ela é traada como uma exceção, uma previsão jurídica de uma situação que eventualmente pode acontecer mas não é o ideal (bem, dá pra falar disso de todo o código penal). O problema aqui é que Bolsonaro trata essa prerrogativa como uma regra, sendo assim não é nenhum exagero dizer que o que ele propõe é dar uma licença para matar. a afirmação de que “precisamos garantir e reconhecer que a vida de um policial vale muito” não passa de um espantalho para uma falsa simetria em que a vida de um policial vale mais que a de qualquer pessoa suspeita de um crime, seja ela inocente ou não.

Lembra do papo que bandido bom é bandido morto? Então, senta aqui e leia esse texto. O excludente de licitude dá a qualquer criminoso que se esconda atrás de uma farda a possibilidade de escapar de prisões preventivas e a liberdade provisória mesmo se pego em flagrante. Parece uma boa ideia pra você?

A questão sobre o direito de propriedade também é bem sintomática. Eu realmente fiquei espantado de nenhum adversário estar batendo nisso. Vejamos o que é a tal EC/81 que ele quer derrubar:

“Parágrafo único. Todo e qualquer bem de valor econômico apreendido em decorrência do tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins e da exploração de trabalho escravo será confiscado e reverterá a fundo especial com destinação específica, na forma da lei.”

Já sabemos que o candidato não é um defensor das drogas. O que sobrou na lei? O trabalho escravo. Pra evitar qualquer tipo de confusão sobre o que a legislação brasileira considera trabalho escravo, vamos ver direto da fonte:

Art. 149. Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto:

§ 1o Nas mesmas penas incorre quem:

– cerceia o uso de qualquer meio de transporte por parte do trabalhador, com o fim de retê-lo no local de trabalho;

II – mantém vigilância ostensiva no local de trabalho ou se apodera de documentos ou objetos pessoais do trabalhador, com o fim de retê-lo no local de trabalho.”

Não há a mínima possibilidade de achar esse texto dúbio. Juntando os pontos, dá pra concluir que Bolsonaro é contra retirar as terras de um proprietário que tenha comprovadamente usado mão de obra de pessoas escravizadas em sua plantação, uma pessoa que tem sangue nas mãos.

Entre escolher entre a dignidade dos trabalhadores e a propriedade privada, Bolsonaro já fez a sua escolha. Eu não consigo expressar em texto o tamanho do meu ódio.

Esse texto é parte de uma série. Não deixe de ver os nossos outros textos sobre o tema:

Introdução
Parte 1: “O Brasil livre”
Parte 2: “Mais Brasil, menos Brasília
Parte 3: Estrutura e gestão
Parte 4: Linhas de ação
Parte 5: Mentiras da esquerda
Parte 6: Defesa nacional
Parte 7:  Saúde
Parte 8: Educação (EM BREVE)
Parte 9: Inovação, ciência e tecnologia (EM BREVE)
Parte 10: Economia (EM BREVE)
Parte 11: Economia 2 (EM BREVE)
Parte 12: Economia 3 (EM BREVE)
Parte 13: Economia 4 (EM BREVE)
Parte 14: Economia 5 (EM BREVE)
Parte 15: Agricultura e Infraestrutura (EM BREVE)
Parte 16: Energia, petróleo e gás (EM BREVE)
Parte 17: Tranportes, portos e aviação (EM BREVE)
Parte 18: O novo Itamaraty (EM BREVE)

É isso mesmo que você quer para o país? Se não for, não deixe de compartilhar esse texto com seus amigos (ou não), e se estiver dentro das suas possibilidades considere auxiliar financeiramente o nosso humilde projeto. Com apenas 5 reais você nos ajuda demais a manter os custos e a qualidade do trabalho aqui feito.