Pistolando #006 – Apatridia com Maha Mamo e Ana Luisa Demoraes Campos

Pistolando #006 – Apatridia com Maha Mamo e Ana Luisa Demoraes Campos

Tempo de leitura: 2 minutos

Nossa nacionalidade faz parte da nossa identidade. Mas e quando não temos uma pátria? Quais são as consequências legais, culturais, pessoais, de uma situação tão pouco usual? Conversamos com Ana Luisa Demoraes Campos (sim, ela mesma) e com Maha Mamo, que juntamente com sua irmã Souad foram as duas primeiras pessoas na história reconhecidas como apátridas pelo governo brasileiro.

Ficha técnica

 

Hosts: Thiago Corrêa e Leticia Dáquer

 

Convidadas: Ana Luisa Demoraes Campos e Maha Mamo

 

Edição: Thiago Corrêa

 

Capa: Leticia Dáquer

 

Data da gravação: 29/07/2018 e 13/08/2018

 

Data da publicação: 29/08/2018

 

Músicas:

  • Manu Chao – Clandestino
  • Bideew Bou Bess – I Belong
  • Titãs – Lugar Nenhum
  • U2 – Stateless

 

Links mencionados no episódio

 

Dados da ACNUR sobre Refúgio

 

Caso do apátrida preso na Austrália

 

Informações da ACNUR sobre apátridas e apatridia (em inglês)

 

Definição de apatridia segundo a UNHCR

 

Caso da Maha Mamo segundo a ACNUR

 

Site da Maha contando a história dela

 

Pelo direito de existir – história da Maha no Valor Econômico

 

O que é o passaporte amarelo

 

Site dos Brasileirinhos Apátridas

 

Podcast Radiolab sobre a americana que não possuía nenhum documento

 

O Bom, o Mau e o Feio

O Bom:

Leticia:

 

Thiago:

 

O Mau:

Leticia:
Thiago

 

O Feio:

Leticia:

 

Thiago:

 

Jabás

 

Ana Luisa Demoraes Campos

Twitter: @onululu

 

Maha Mamo

Twitter: @MahaMamo

 

Leticia Dáquer

Twitter: @pacamanca

Blog: www.pacamanca.com

 

Thiago Corrêa

Twitter: @thiago_czz

 

A Balada do Pistoleiro

Ana Luisa Demoraes Campos

 

Maha Mamo

Visitar as Cataratas do Iguaçu

Visitar a ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro

 

Leticia Dáquer

First Grave on the Right, de Darynda Jones

 

Ziploc é vida

 

Thiago Corrêa

O Filme “Terminal”, com Tom Hanks

 

Sala da Democracia Digital

 


#MULHERESPODCASTERS

Mulheres Podcasters é uma ação de iniciativa do Programa Ponto G, desenvolvida para divulgar o trabalho de mulheres na mídia podcast e mostrar para todo ouvinte que sempre existiram mulheres na comunidade de podcasts Brasil.

O Pistolando apoia essa iniciativa.

 

Apoie você também: compartilhe este programa com a hashtag #mulherespodcasters e nos ajude a promover a igualdade de gênero dentro da podosfera.

 

Links do Pistolando:

 

www.pistolando.com

 

contato@pistolando.com

 

Twitter: @PistolandoPod

 

3 comments on Pistolando #006 – Apatridia com Maha Mamo e Ana Luisa Demoraes Campos

  1. Bruno Colonezi disse:

    Até aqui, foi o melhor episódio de vocês. Adorei ouvir a trajetoria da Maha (e me junto a vocês no pedido para que a Boitempo publique as histórias dos apátridas) e espero que dê tudo certo na prova dela. Quando ela citou os refugiados sírios, lembrei da segunda temporada do Projeto Humanos, onde a questão dos refugiados foi falada.

    A explicação da Ana Luisa Demoraes sobre apátridas e passaportes foi fantástica, confesso ter pouco conhecimento sobre o assunto e ela foi incrível na explicação.

    Sinceramente, eu queria agradecer por esse episódio, foi bem esclarecedor e me ensinou bastante. Adorei e fico no aguardo do próximo.

    1. Leticia Dáquer disse:

      Oba, que bom :)))))

  2. Stefany Antunes disse:

    Vamos por partes: que puta tema vocês pegaram. Realmente nunca tinha nem lido sobre o assunto, que é um erro terrível, não fazia ideia de quanta gente não tem um documento de identidade e, pior ainda, quanta gente não pode se reconhecer diante ao estado. A Maha tem uma história de se emocionar e querer anarquismo mundial pra ontem, todas as dificuldades que ela passou por uma coisa que parece tão banal como um documento de identidade é de uma tristeza e covardia sem tamanho. Impedir alguém de estudar é triste demais, não poder fazer nada também é.
    Acho completamente injusto esse sistema de só ser de um país se seus pais também forem, quando é só o pai é pior ainda. Se tu nasceu ali, tu és dali e ponto, e essa deveria ser a regra no mundo todo. Não consigo mensurar o quanto foi difícil para a Maha enviar todos esses emails, pedidos de ajuda, contar a história dela tantas vezes, para receber sempre um “não podemos fazer nada”. Senti um orgulho do Brasil nesse episódio. Recebê-la, mudar as leis e regulamentar a vida dela e de outras pessoas aqui é muito importante, e é muito bom ver o Brasil ser o primeiro a ter essa lei.
    A participação da Ana Luísa foi maravilhosa, parabéns pela escolha dela para fazer parte desse episódio.
    Sobre o final: vocês são ótimos e tornaram um assunto tão pesado, gostoso de ouvir. Parabéns de novo. E pela edição também, adorei a escolha de falar com elas separadamente e editar dessa forma.
    Enfim, fiquei muito impactada com esse episódio, obrigada por me fazer pensar no assunto. Também fiquei muito feliz pelas coisas estarem mudando, mesmo que devagar. Divulguem caso a Maha venha pra UFSC, preciso ir vê-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *