Guia de sobrevivência ao almoço de domingo – Parte 2: “Mais Brasil, menos Brasília”

Guia de sobrevivência ao almoço de domingo – Parte 2: “Mais Brasil, menos Brasília”

Tempo de leitura: 6 minutos

E aí, curtiu a primeira parte? Então simbora seguir a análise dessa bela obra (no sentido informal da palavra) de Bolsonaro.

“A NOVA FORMA DE GOVERNAR! MAIS BRASIL, MENOS BRASÍLIA”

2019 SERÁ O ANO DA MUDANÇA
NOSSA VITÓRIA SERÁ CONTRA A SERVIDÃO!
Faremos os ajustes necessários para garantir crescimento com inflação baixa e geração de empregos.
Enfrentaremos os grupos de interesses escusos que quase destruíram o país.
Após 30 anos em que a esquerda corrompeu a democracia e estagnou a economia, faremos uma aliança da ordem com o progresso: um governo Liberal Democrata.
Segurança, Saúde e Educação são nossas prioridades. Tolerância ZERO com o crime, com a corrupção e com os privilégios.

Aqui volta uma jogada bastante malandra que é fingir que declarou guerra a um inimigo mas deixar esse oponente simplesmente sem nome. Afinal, quem são os “grupos de interesses escusos” que Bolsonaro pretende enfrentar? A Odebrecht? A Coca-Cola? O PCC? A associação de moradores do meu bairro? Fica a seu critério aí; imagine um inimigo e concorde comigo.

Talvez o ex-militar esteja tão confiante nas habilidades econômicas de seus ajudantes nessa campanha que esteja ficando desleixado até com as mais simples das operações matemáticas. Só isso explica o candidato dizer que a esquerda vem “corrompendo a democracia” há 30 anos. Eu tive que apelar para a Wikipedia pra descobrir quem eram os manda-chuvas da época: em 1988 o presidente era José Sarney, o presidente da Câmara era Ulysses Guimarães e no Senado quem presidia era Humberto Lucena, os três partidários do PMDB (nenhuma surpresa aqui). A gente nem precisa analisar a biografia dos 3 pra chegar à conclusão que o governo não era um antro de esquerdistas. Depois deles ainda vieram Collor, Itamar, FHC… Digamos que nenhum deles estamparia camisas com a cara do Che Guevara.

Mas então de onde diabos Bolsonaro tirou essa conta de 30 anos?

Sabe outra coisa que também é de 1988? A nossa Constituição, que restabeleceu plenamente o governo civil. Significa? Vou deixar pra você o julgamento.

“TUDO SERÁ FEITO DENTRO DA LEI”

NOSSA CONSTITUIÇÃO PRECISA SER RESPEITADA!
Mesmo imperfeita, Nossa Constituição foi feita por representantes eleitos pelo povo.
Ela é a LEI MÁXIMA E SOBERANA DA NAÇÃO BRASILEIRA.
Lamentavelmente, Nossa Constituição foi rasgada nos últimos anos, inclusive por muitos que deveriam defendê-la.
Nosso conjunto de Leis será o mapa e a BÚSSOLA serão os princípios liberais democratas para navegarmos no caminho da prosperidade. Enfrentaremos o viés totalitário do Foro de São Paulo, que desde 1990 tem enfraquecido nossas instituições democráticas.

Quem rasgou a Constituição? Quando? Em que ocasião? Será que em algum momento Bolsonaro vai parar com essa palhaçada de ficar dando indiretinha?

Ah, o Foro de SP… Demorou, mas enfim começou a maluquice, vamos lá. Pra começar, é bem curioso o jeito como setores da direita tratam o FSP como se fosse uma seita secreta comparável ao Opus Dei e não como se fosse uma confederação com site próprio, e um papel bem claro e definido: “O Foro de São Paulo reúne partidos progressistas, nacionalistas, socialistas e comunistas. Há basicamente dois pontos em comum entre estes partidos: lutar pela integração regional e combater o neoliberalismo”, como afirma sem pestanejar Valter Pomar em entrevista. Mas se tudo é tão às claras assim, então qual é a comoção? Simples, o lance é gerar um espantalho. Fica fácil bater em uma organização que apesar de aberta é pouco conhecida e que não faz o mínimo esforço de se admitir de esquerda.

“DESAFIOS URGENTES”

CONTRA a criminalidade, corrupção e aparelhamento do Estado para estancar os estragos e iniciar o processo de recuperação do país, da economia e da Democracia.
• Mais de 62 mil homicídios por ano.
• Mais de UM MILHÃO de brasileiros foram assassinados desde a 1ª reunião do Foro de São Paulo.
• Epidemia de crack, introduzido no Brasil pelas filiais das FARC.
• Corrupção generalizada e ameaças às instituições que a estão combatendo.
• Infraestrutura insuficiente e deteriorada.
• Educação e saúde à beira do colapso.
• 13 milhões de desempregados, oficialmente.
• Desrespeito às leis, à vida, à propriedade privada e à Constituição Brasileira!

Vamos por partes: A primeira frase só diz o óbvio, ou alguém aí é a favor da corrupção? A segunda frase só mostra um dado. Não dá pra dizer nada a partir dela. É na terceira que a coisa fica divertida; ela é o que costumamos chamar de Correlação Espúria  e tem até um site só disso em inglês. A grande maluquice dele é traçar uma relação entre dois dados que não têm nada a ver um com o outro. Aqui vai um vídeo bem simples e educativo sobre essas correlações.

Bem, explicado esse ponto, cabe mais um esclarecimento sobre o texto acima, que mostra que tão importante quanto O QUE está sendo dito é também COMO e ONDE isso está acontecendo. A quarta frase fala sobre o crack ter sido “introduzido no Brasil pelas filiais das FARC”. Bem, essa frase é complicada, porque a afirmação ainda não é um consenso entre os especialistas. Tudo leva a crer que facções criminosas brasileiras tenham estreitado relações com as FARC que, com a sua produção COLOSSAL de cocaína, abasteceu o mercado brasileiro. O problema não está na frase; onde está então?

O problema está em onde esta frase foi colocada, logo abaixo da frase sobre o Foro de São Paulo. Quando paramos de analisar frase a frase e passamos a ver o todo, a impressão que o texto dá é que a introdução do crack foi uma consequência direta da reunião das esquerdas. Além de ser mais um exemplo de correlação espúria, também beira a sacanagem.

No mais, nada a comentar. Deixemos a defesa da propriedade privada para discutirmos mais além.

“UM BRASIL EM ROTA FISCAL EXPLOSIVA!”

LIBERALISMO ECONÔMICO
As economias de mercado são historicamente o maior instrumento de geração de renda, emprego, prosperidade e inclusão social. Graças ao Liberalismo, bilhões de pessoas estão sendo salvas da miséria em todo o mundo.
Mesmo assim, o Brasil NUNCA adotou em sua História Republicana os princípios liberais. Ideias obscuras, como o dirigismo, resultaram em inflação, recessão, desemprego e corrupção.
O Liberalismo reduz a inflação, baixa os juros, eleva a confiança e os investimentos, gera crescimento, emprego e oportunidades.
Corruptos e populistas nos legaram um déficit primário elevado, uma situação fiscal explosiva, com baixo crescimento e elevado desemprego. Precisamos atingir um superávit primário já em 2020.
Nossa estratégia será adotar as mesmas ações que funcionam nos países com crescimento, emprego, baixa inflação, renda para os trabalhadores e oportunidades para todos.

O liberalismo está salvando bilhões de vidas, curiosamente quase todas no hemisfério norte. E isso tem um preço alto, que é a maximização de lucros e consequente exploração da massa trabalhadora até o limite e quiçá, além dele. Estou exagerando? Não me parece exagero quando uma fábrica tem 200 tentativas de suicídio por ano e ao invés de dar condições de trabalho aos seus trabalhadores opta por instalar redes de proteção e fazer um termo em que tira a responsabilidade da empresa em caso de suicídio.

Sobre os outros pontos citados, eu deixo a palavra com o excelente professor Daniel Souza, que entende mais de economia do que eu entenderei na minha vida inteira.

“O PROBLEMA É O LEGADO DO PT DE INEFICIÊNCIA E CORRUPÇÃO”

Está previsto pelo atual governo que para 2019 o Brasil terá déficit primário de R$ 139 bilhões, que tentaremos reduzir rapidamente. Temos o objetivo de equilibrar as contas públicas no menor prazo possível, buscando um superávit primário que estabilize a relação dívida / PIB. O desafio inicial também será organizar e desaparelhar as estruturas federais, O déficit nominal de 2019, que inclui os juros da dívida, é previsto em R$ 489,3 bilhões (6,5% do PIB). O valor das renúncias tributárias é de R$ 303,5 bilhões (19% da arrecadação). O déficit dos regimes de Previdência Social está previsto em R$ 288,3 bilhões.

Aqui constam apenas dados, nao há muito o que comentar. Só vou deixar uma coisinha aqui: GOVERNO NÃO TEM QUE DAR LUCRO.

“O BRASIL É MAIOR QUE NOSSOS PROBLEMAS”

Apesar do momento difícil, é importante não esquecer que SOMOS MUITO MAIS
FORTES que todos esses problemas.
O Brasil passará por uma rápida transformação cultural, onde a impunidade, a corrupção, o crime, a “vantagem”, a esperteza, deixarão de ser aceitos como parte de nossa identidade nacional, POIS NÃO MAIS ENCONTRARÃO GUARIDA
NO GOVERNO.
Importante mencionar novamente: As leis e, em destaque, Nossa Constituição serão
nossos instrumentos! Ninguém será perseguido, todos terão seus direitos respeitados.
Todavia, investigações não serão mais atrapalhadas ou barradas.
A Justiça poderá seguir seu rumo sem interferências políticas e isso deverá acelerar as
punições aos culpados

Outro slide bem sem sal pra comentar. Aqui Bolsonaro promete que em 4 anos acontecerá uma revolução cultural em que várias coisas dadas como intrínsecas ao dia-a-dia do brasileiro vão deixar de existir. Quer um spoiler? Não vai acontecer. 21 anos de ditadura militar não acabaram com nada disso, pelo contrário: reforçaram que a farda tinha força para executar coisas que até então não eram possíveis, ou seja, a “vantagem” vestiu um uniforme.

Esse capítulo foi meio xoxo de verificar. Esperamos que as coisas melhorem na parte 3.

 

Esse texto é parte de uma série. Não deixe de ver os nossos outros textos sobre o tema:

Introdução
Parte 1: “O Brasil livre”
Parte 2: “Mais Brasil, menos Brasília”
Parte 3: Estrutura e gestão
Parte 4: Linhas de ação
Parte 5: Mentiras da esquerda
Parte 6: Defesa nacional
Parte 7:  Saúde
Parte 8: Educação (EM BREVE)
Parte 9: Inovação, ciência e tecnologia (EM BREVE)
Parte 10: Economia (EM BREVE)
Parte 11: Economia 2 (EM BREVE)
Parte 12: Economia 3 (EM BREVE)
Parte 13: Economia 4 (EM BREVE)
Parte 14: Economia 5 (EM BREVE)
Parte 15: Agricultura e Infraestrutura (EM BREVE)
Parte 16: Energia, petróleo e gás (EM BREVE)
Parte 17: Tranportes, portos e aviação (EM BREVE)
Parte 18: O novo Itamaraty (EM BREVE)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *