Pistolando #011 – Justiça Reprodutiva com Aline Hack

Pistolando #011 – Justiça Reprodutiva com Aline Hack

Tempo de leitura: 3 minutos

O aumento ou a diminuição do crescimento populacional, tratado como assunto político, muitas vezes invade a liberdade de decisão do homem ou da mulher sobre o tamanho da sua prole. Não é possível lutar pela liberação das mulheres sem lutar pelo controle pelos próprios corpos. Justiça reprodutiva é o direito humano a não ter filhos, a ter filhos, a educar seus filhos em ambientes saudáveis, e também é o direito humano à autonomia do próprio corpo e a expressar a sexualidade livremente. É um assunto crucial? Claro que é. Falamos sobre isso com Aline Hack, do podcast Olhares, porque ela sabe das coisas.

 

Ficha técnica

Hosts: Thiago Corrêa e Leticia Dáquer

 

Convidada: Aline Hack

 

Edição: Thiago Corrêa

 

Capa: Leticia Dáquer

 

Data da gravação: 01/11/2018

 

Data da publicação: 08/11/2018

 

Músicas:

 

Links mencionados no episódio

SUS gasta R$ 500 milhões com complicações por aborto em uma década (Folha, 2018)

As laqueaduras de emergência disparam no Brasil – e ninguém sabe por quê (The Intercept Brasil, 18/07/2018)


O que aconteceu após 10 anos de aborto legalizado em Portugal (Nexo Jornal, 13/02/2017)

Descriminalizados, abortos têm cinco anos de queda em Portugal (Folha, 12/08/2018)

Por que a Justiça Reprodutiva é relevante para a luta pelo fim da violência contra as mulheres? (Catarinas, 30/11/2016)

https://en.wikipedia.org/wiki/Reproductive_justice

Reproductive Justice Matters (Huffington Post, março de 2015)

National Women’s Law Center – Reproductive Justice

Bolsonaro defendeu esterilização de pobres para combater miséria e crime (Folha, 11/06/2018)

Como um juiz e um promotor determinaram a esterilização de uma moradora de rua? (Jota, 11/06/2018)

Por que esterilização para controle demográfico é uma violação (Nexo Jornal, 13/06/2018)

Violência do Estado contra a mulher: esterilização compulsória (Think Olga, 2018)

Esterilização compulsória de Janaína não é caso isolado, apontam entidades (Huffington Post Brasil, 27/06/2018)

India’s dark history of sterilisation (BBC News, 14/11/2014)

Forced sterilisation: a western issue too (The Guardian, 04/05/2010)

Remembering the victims of Nazi eugenics (DW, 14/07/2003)

Denuncian a Alberto Fujimori por la esterilización forzosa de 236 mil mujeres (Clarín, 04/10/2017)

 

A Balada do Pistoleiro

Aline Hack

Bebam água 😛

Documentário: Renascimento do Parto (1 e 2, Netflix)

Documentário: Roe vs Wade (Netflix)

Podcast: Ventre Nós

Episódio do Olhares sobre aborto

Episódio do Anticast sobre a ADPF 442

Livro: A Gordura é uma Questão Feminista (Susie Orbach) (pdf)

 

Leticia Dáquer

Leite de magnésia como desodorante

Livro: O Mito da Beleza, de Naomi Wolf (de novo), em pdf pra baixar, ou aqui pra comprar

 

Thiago Corrêa

XKCD Password Generator Tabajara

 

Jabás

Aline Hack

Campanha #ativismonaweb

Twitter: @advogadacansada

Podcast Olhares

Twitter do Olhares: @OlharesPodcast

 

Leticia Dáquer

Twitter: @pacamanca

Blog: www.pacamanca.com

Papo Cético, podcast do site Mitografias

 

Thiago Corrêa

Twitter: @thiago_czz

 

O Bom, o Mau e o Feio

O Bom:

Leticia:

 

Thiago:

 

O Feio:

Leticia:

 

Thiago:

 

#MULHERESPODCASTERS

Mulheres Podcasters é uma ação de iniciativa do Programa Ponto G, desenvolvida para divulgar o trabalho de mulheres na mídia podcast e mostrar para todo ouvinte que sempre existiram mulheres na comunidade de podcasts Brasil.

 

O Pistolando apoia essa iniciativa.

 

Apoie você também: compartilhe este programa com a hashtag #mulherespodcasters e nos ajude a promover a igualdade de gênero dentro da podosfera.

A partir de hoje você pode participar de uma das maiores mobilizações pela preservação da

vida das mulheres que acontece no mundo. O Olhares Podcast lança a campanha #16dias de #ativismonaweb de 2018, uma ação parte da Campanha Mundial de combate à violência de gênero promovidos pela ONU e mais de 160 países: 16 dias de ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Para participar basta produzir conteúdos nas suas plataformas e redes sociais que deem visibilidade específica ao tema violência de gênero. Poste com a #ativismonaweb e faça parte desta grande mobilização em favor da vida das mulheres.

Violência de gênero mata.

Participe da nossa ação e prove que ativismo online também tem força para mudar o mundo offline.

Se você é apenas ouvinte/consumidor(a) de conteúdo, você pode manifestar seu apoio nas redes com nossa campanha em sua foto de perfil, acessando o link que deixaremos na descrição (formato quadrado)

https://twibbon.com/support/diasativismo

ou

https://twibbon.com/support/ativismo-na-web/

(formato redondo)

 

Links do Pistolando:

 

www.pistolando.com

contato@pistolando.com

Twitter: @PistolandoPod

Ajude a gente no Catarse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *